Ataques de phishing crescem durante o coronavírus

Novidades, Segurança da Informação - 07/04/2020

Você sabia que, durante a pandemia do coronavírus, os ataques de phishing crescem de 15 a 20% por mês? Saiba mais como se proteger abaixo.

Ataques de phishing crescem durante o coronavírus (3)Com as pessoas passando a maior para do tempo em casa, por conta da pandemia, ataques virtuais se tornam mais fáceis. Recentemente, mais um método de phishing foi identificado, pela equipe norte-americana do site Bleeping Computer. Os criminosos buscam tirar proveito das pessoas através do medo causado pela doença.

Por meio da internet, informam aos destinatários que precisam passar por testes, já que podem ter sido expostos ao vírus em questão. Um arquivo vem anexado junto ao e-mail ou SMS e assim que aberto ou baixado, alguns vírus são instalados no computador ou telefone.

Estes vírus podem ter acesso ao IP do aparelho, as contas logadas e outros arquivos pessoais. Vamos conhecer um pouco mais sobre o que é Phishing e como se proteger dele.

Mas, afinal, o que é Phishing?

Phishing é um método para enganá-lo e fazer com que compartilhe suas senhas, números de cartão de crédito e outras informações sensíveis, apresentando-se como uma instituição confiável por meio de e-mail, mensagens instantâneas, postagens em mídias sociais, SMS ou um telefonema.

Os ataques de phishing podem resultar em exposição e perda de informações críticas, que podem ser utilizadas de maneira maliciosa para prejudicar a reputação da vítima e da empresa.

Conheça alguns ataques identificados utilizando o tema “coronavírus”:

  • Liberação de acesso grátis do Netflix.
  • Aplicativos rastreadores de doença.
  • Álcool em gel da Ambev.
  • Kit de máscaras e álcool em gel doado pelo Governo Federal.
  • Fabricação de vacina COVID-19.
  • Agende teste de COVID-19 em casa.

Como você deve se proteger?

  • Não clique em links contidos em de e-mail, mensagens instantâneas, postagens em mídias sociais ou SMS, vindo de pessoas ou organizações desconhecidos.
  • Não abra e-mails de remetentes com os quais você não está familiarizado.
  • Para melhorar a proteção, se você receber um e-mail, mas não tem certeza se é confiável, acesse o link inserindo manualmente o endereço do website em seu navegador.
  • Procure o certificado digital de um website.
  • Se pediram algum dado confidencial, verifique se a URL da página começa com “HTTPS” e não apenas como “HTTP.” O \”S\” significa \”seguro\”. Isso não é uma garantia de que o site seja seguro, mas os sites originais usam HTTPS porque é mais seguro. Os sites HTTP, mesmo que sejam legítimos, são vulneráveis aos hackers.
  • Fique atento a erros ortográficos.
  • Passe o mouse sobre o link para ver se o link é legítimo, na dúvida não clique.

Portanto, fique atento!
A melhor segurança começa na prevenção.

Conheça mais sobre nossos conteúdos no blog:

Uso de EPIs em meio a pandemia: Esclarecimentos em Nota Técnica da Anvisa

Dicas de treinamentos online para fazer durante a quarentena

Paperless: transforme a sua empresa em digital com o SOC

DEIXE SEU COMENTÁRIO:

Seu e-mail não será publicado. *Campos obrigatórios.